Seguir por e-mail

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Terra de ninguém

Olá Crianças,

Ouço falar de Cesare Battisti desde o finalzinho do mandato do velho molusco, tudo o que eu sabia sobre esse sujeito é que ele havia matado um punhado de gente na Itália e havia corrido para o Brasil para se livrar da pena, pois afinal em todos os filmes de Hollywood o bandido foge para cá e é esquecido.
Ele fugiu para o lugar certo, afinal não foi esquecido, porém encontrou no nosso ex-presidente um padrinho em tanto, um protetor capaz de dar aulas a Don Corleone, o Poderoso Chefão.
Como não sabia direito quem era o fulano, resolvi procurar na internet e para minha surpresa encontrei a foto de uma placa de homenagem em uma rua de Roma com o mesmo nome, confesso que fiquei surpreso, mas logo descobri que este era outro (que era considerado um herói na Itália) e havia morrido em 1916.
Enfim encontrei o protegido do Don Corleone Tupiniquim e a ficha de Battisti não é muito diferente dos bandidos que conhecemos; foi preso pela primeira vez por furto quando tinha 18 anos, dois anos depois foi preso por assalto a mão armada e logo após ser liberto foi preso mais uma vez, dessa vez conheceu Arrigo Cavallina que o introduziu ao PAC (não é o nosso PAC, o que eu não tenho dúvidas de que também hajam alguns criminosos se utilizando da sigla, mas o Proletários Armados pelo Comunismo).
O grupo é acusado de quatro assassinatos, dois deles após resistência de assaltos.
O sujeito foi preso, mas conseguiu fugir e depois de um passeio pela França, México (onde participou até de um Festival do Livro) e França novamente, é ameaçado ser extraditado (o que já deveria ter acontecido a muito tempo, diga-se de passagem), resolve fugir para a república das bananas fazendo antes um tour pela Espanha e Portugal.
Em 2007 foi preso no Rio de Janeiro.
Em 2008 o Comitê Nacional de Refugiados rejeita seu pedido de refúgio.
Até aí tudo certo, dentro da lei, porém em 2008, com a ajudinha de Tarso Genro, um recurso concede a ele o sonhado refúgio baseado na tese de perseguição política.
O Bacana é que Brasil e Itália possuem um acordo de extradição e uma parceria no que diz respeito à criminosos (acho que possuíam).
Não sei se os Petistas confundiram o Battisti com o do começo do século XX, não sei se quiseram compensar o fato do Brasil ter extraditado Olga na segunda guerra ou se já achavam ser de praxe abrigar bandidagem, levando em consideração que o ditador Paraguaio Alfredo Stroessner ficou aqui até morrer; a questão é que por um problema que não era nosso criamos uma situação bastante desagradável com a Itália e essa situação piorou nessa madrugada, pois simplesmente libertaram o homem, isso mesmo, libertaram Battisti, ainda não sei sob qual argumento, mas o cara está na rua!
Enquanto Itália e Brasil brigam para decidir o destino de Battisti, essa hora ele já deve estar preparando seu passaporte com um novo destino, quem sabe agora ele não vai passar o inverno em Bariloche...

BeijUnda e até a próxima.

2 comentários:

  1. Pior que nem dá pra virar bandido pra me dar bem - eu já sou brasileiro, mesmo...

    ResponderExcluir
  2. Pra se dar bem no Brasil como bandido vc deve ser traficante, político ou gringo, lembra do Ronald Biggs???

    ResponderExcluir